Meu fígado gordo

Vejo muita gente dizendo que não há problema algum em comer o que quiser, incluindo aí alimentos ricos em gorduras trans (bolachas, guloseimas em geral), muita carne vermelha e gorda, açúcares refinados (refrigerantes, doces etc), bebidas alcoólicas, dentre outras coisas que sempre ouvimos dizer que não são saudáveis.

O normal é ignorarmos esses alertas, pois se for “moderadamente”, não há problema algum. O problema reside especificamente no consumo constante, a longo prazo. É só após vários anos que um problema mais sério pode aparecer. E infelizmente, pode ser tarde.

Pois bem, ao fazer um ultrasom de rotina, para análise no urologista, descobri que estou com ESTEATOSE HEPÁTICA, ou, como é comumente chamado, fígado gordo, fígado gorduroso, fígado inchado ou gordura no fígado.

Esse problema é assintomático, ou seja, não apresenta sintoma algum, de forma que você continua com sua alimentação inadequada acreditando que está tudo certo. A esteatose hepática normalmente é um “achado médico”, que só é descoberto por acaso, durante outros exames.

A esteatose hepática implica no acúmulo de células gordurosas no fígado e a não adoção de uma dieta mais regrada pode fazer com que o quadro evolua para cirrose hepática. Sabe como trata cirrose? Só com transplante de fígado…

Bem, da minha parte, inicio aqui um controle rigoroso sobre minha alimentação e alerto aos familiares e amigos que, comer o que quiser, quando e quanto quiser, pode até ser prazeroso, mas o tempo mostrará que é preciso ser comedido.