Até que ponto estamos permitindo que a felicidade seja baseada em consumir?