Tem empregado bobinho

defendendo patrão,

achando que ele será bonzinho na

“livre negociação”