Meu fígado gordo

Vejo muita gente dizendo que não há problema algum em comer o que quiser, incluindo aí alimentos ricos em gorduras trans (bolachas, guloseimas em geral), muita carne vermelha e gorda, açúcares refinados (refrigerantes, doces etc), bebidas alcoólicas, dentre outras coisas que sempre ouvimos dizer que não são saudáveis.

O normal é ignorarmos esses alertas, pois se for “moderadamente”, não há problema algum. O problema reside especificamente no consumo constante, a longo prazo. É só após vários anos que um problema mais sério pode aparecer. E infelizmente, pode ser tarde.

Pois bem, ao fazer um ultrasom de rotina, para análise no urologista, descobri que estou com ESTEATOSE HEPÁTICA, ou, como é comumente chamado, fígado gordo, fígado gorduroso, fígado inchado ou gordura no fígado.

Esse problema é assintomático, ou seja, não apresenta sintoma algum, de forma que você continua com sua alimentação inadequada acreditando que está tudo certo. A esteatose hepática normalmente é um “achado médico”, que só é descoberto por acaso, durante outros exames.

A esteatose hepática implica no acúmulo de células gordurosas no fígado e a não adoção de uma dieta mais regrada pode fazer com que o quadro evolua para cirrose hepática. Sabe como trata cirrose? Só com transplante de fígado…

Bem, da minha parte, inicio aqui um controle rigoroso sobre minha alimentação e alerto aos familiares e amigos que, comer o que quiser, quando e quanto quiser, pode até ser prazeroso, mas o tempo mostrará que é preciso ser comedido.

Descontinuando o uso de Paroxetina

Eu estava “ouvindo” umas espécies de “arranhões” quando movimentava a cabeça e/ou os olhos. Pensei que fosse a labirintite, que de vez em quando ataca. Resolvi pesquisar mais a fundo e descobri o que é, pois os sintomas começaram justamente quando parei de tomar Paroxetina.

O ideal é parar aos poucos. Às vezes a descontinuaçao é mais insuportável que a própria ansiedade dependendo da dose que a pessoa tomava. O ideal é ir diminuindo, assim os sintomas da descontinuaçao devem ser quase nulos.

Segue a dica aí pra quem estiver passando pela mesma situação.

Sintomas

Sintomas

Esta seção trata somente de descontinuamentos problemáticos do Cloridrato de Paroxetina (comercializado no Brasil sob o nome de Cebrilin, B…

Fonte: www.descontinuando.info/2009/07/sintomas.html

Ninguém “alega” ter depressão

O que dizer sobre a seguinte notícia?

Estado investiga licenças dos servidores; 46% alegam depressão | FOLHAMAX

Estado investiga licenças dos servidores; 46% alegam depressão | FOLHAMAX

  A Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) produziu relatório de auditoria acerca dos controles na concessão de licenças médicas aos servidores do Governo de Mato Grosso. Um das principais motivações do trabalho é o esforço da gestão estadual para encontrar oportunidades de reduzir o impacto dos gastos com pessoal sob o enfoque da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).  “Os afastamentos médicos têm…

Fonte: www.folhamax.com/politica/estado-investiga-licencas-dos-servidores-46-alegam-depressao/112442

NÃO!! Está tudo errado! A interpretação está errada, a manchete está errada, a função da controladoria está errada!. Ninguém “alega” ter depressão. A depressão é causada por uma série de fatores, acumulativos. Muitos dos quais, causados pelo descaso do poder público com relação a saúde do trabalhador. Sobrecarga de trabalho, condições ruins, mobiliário inadequado, alterações no salário. Depressão não se alega. A pessoa tem e é preciso verificar o que está causando, tratar a pessoa, dar atenção, cuidar de sua saúde. Querem contestar atestados de médicos que periciaram o paciente. Estão preocupados com os custos gerados na realocação do profissional.Questionam o afastamento para acompanhamento de membro da família. Eu perdi minha sogra, vítima de câncer e graças a Deus minha esposa pôde acompanhá-la, aliviando um pouco o sofrimento. Não sei o que é pior: a CGE fazer esse julgamento ou a mídia compactuar com isso. Consternado!