Curso de Informática Básica e Edição Imagens e Vídeos para Mulheres Indígenas

Nesta semana nós ofertamos um curso de informática e edição multimídia para a Associação Yamurikumã das Mulheres Indígenas Xinguanas. Foi minha primeira experiência trabalhando com indígenas e confesso que estava um pouco apreensivo antes de começar. Achei interessante como elas são dedicadas, embora a comunicação muitas vezes exigia a intervenção de alguém com maior domínio da língua portuguesa.

Na minha aula, ensinei a criar uma conta de e-mail e o grande desafio foi lidar com o fato de que muitas não sabiam a data de nascimento, necessária para o cadastro. Faz sentido, pois pra elas, qual a necessidade em saber essa informação, não é mesmo?

Outra supresa foi descobrir que, embora todas sejam do Xingu, há vários povos e cada um deles fala uma língua diferente. No final, fizemos uma tabela na lousa, com os nomes de alguns animais em português e suas correspondentes traduções nas línguas deles.

Pra mim foi um aprendizado incrível, ter a oportunidade de compartilhar esses momentos com esse povo incrível. Seguem algumas fotos.

New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos
New photo by Rui Ogawa / Google Photos

 

 

 

Dicas para a prova do ENEM

As dicas não são minhas. Veja os créditos no final.

1. Após realizar a prova, faça parte de algum grupo que luta em defesa da Universidade. Se o Brasil continuar no rumo em que está, não haverá Universidade Pública para você;

2. Não reproduza o discurso da elite que quer te ver fora do espaço que ela tem certeza que é dela. Universidade é um direito, não um privilégio. Foram os impostos dos seus pais, avós, tios, etc que construíram cada Universidade Pública deste país. Os ricos não pagam impostos. Usufruem daquilo que os nossos impostos constroem;

3. Não acredite que Universidade seja apenas mérito pessoal. As suas notas serão mérito seu. Ter uma Universidade pública é resultado de muita luta, muita greve, muita gente batalhou para que ela existisse;

4. O orçamento para a Educação Superior em 2018 proposto pelo Governo Temer será de R$ 5,9 bilhões.Em 2015 era de R$13 bilhões. A Emenda Constitucional 95 passa a valer para as Universidades em 2018. não houve teto de gastos para o Temer se manter na Presidência. Mas, somando as duas votações no Congresso ele “investiu” R$30 bilhões. Faça as conta-se tire suas conclusões;

5. Apenas 16% da juventude tem uma vaga na Universidade, o que aumenta a sua responsabilidade por, além de estudar, lutar por sua expansão. As famílias dos outros 84% financiam a Educação Superior mesmo que seus filhos não estejam lá.

6. Não permita que voltemos ao obscurantismo, que tenhamos cerceada a liberdade científica. Não permita que voltemos a um tempo em que a Universidade na fazia parte da sociedade, tal era seu papel elitista. Se retrocedermos, o primeiro que será expulso de um espaço “que não te pertence mais”, será você! Esta é também uma luta de classes!

7. O STF decidiu que se você escrever sobre ódio, feminicídio, LGBTfobia ou pregar nazismo não será punido. Mas defender isso revelará seu caráter e como você quer a sociedade não apenas para você mas para os que você ama. Se você quer uma sociedade de inclusão ou de violência. A violência sempre atinge a vida da gente!

No mais, durma bem e boa prova!

*Beatriz Cerqueira*
Presidenta da CUT/MG
Coordenadora-geral do Sind-UTE/MG